Presidência
Ministério Público
Ministério a Comunicação
Ministério da Cultura
Ministério da Educação
Ministério da Justiça
Ministério da Saúde
Ministério do Trabalho
Ministério do Transporte
Ministério do Turismo
Ministério do Exército
Ministério da Marinha
Ministério da Aeronâutica
Polícia Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Presidência
Ministério Público
Ministério a Comunicação
Ministério da Cultura
Ministério da Educação
Ministério da Justiça
Ministério da Saúde
Ministério do Trabalho
Ministério do Transporte
Ministério do Turismo
Ministério do Exército
Ministério da Marinha
Ministério da Aeronâutica
Polícia Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Judiciário
Executivo
Presidência
Ministério Público
Ministério a Comunicação
Ministério da Cultura
Ministério da Educação
Ministério da Justiça
Ministério da Saúde
Ministério do Trabalho
Ministério do Transporte
Ministério do Turismo
Ministério do Exército
Ministério da Marinha
Ministério da Aeronâutica
Polícia Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
Receita Federal
direitos humanos
Presidência
Presidência
Presidência
Presidência
 

Objetivo

O Direito Penal brasileiro, direciona-se rapidamente a um percurso de modificação substancial da aplicação da pena privativa de liberdade, tendente ao abrandamento por meio de processos alternativos e modelos prisionais suficientes à repressão, calcado na constatação de que o delinqüente não se reabilita com a severidade que lhe é imposta, antes, torna-se absolutamente corrompido, desviando-se em definitivo dos fins e utilidades da sanção a que está sendo submetido.

Entretanto, praticado o ilícito, a instrução da acusação consubstancia-se na ação penal, que tem por propósito a execução da pena, por si só aflitiva, como meio retributivo pelo mal provocado à sociedade como um todo, ou a seus cidadãos, não podendo, porém a pena ser vista como um castigo.

A paga, não deve também ser objeto de escárnio; deve, sim, objetivar a prevenção e a recuperação, para que se materialize a ressocialização.

A imposição de execução da pena considerada imperiosa ao condenado, levando-se em consideração nossa dificultosa legislação, padece sob profundas influências oriundas do poder discricionário dos juízes na apreciação dos dispositivos legais atinentes à espécie sob julgamento.

Neste sentido, não há uma unicidade de entendimento, capaz de solidificar a justiça de acordo com a verdade e os valores inerentes à humanização, mesmo porque, os mais abastados financeiramente, se valem de excelentes advogados que em suas defesas usam todos os argumentos possíveis e impossíveis constantes de nossa farta e conflituosa legislação.

Valem se também estes bem renumerados profissionais de fartas jurisprudências estaduais, federais e atem internacionais, que nem sempre versam sobre o delito praticado por seu constituinte, mas acabam de certa forma induzindo o julgador ao prolatar sua sentença ou de despacho interlocutório favorável ao seu cliente.

Ao contrario dos abastados financeiramente ao considerados pobres na acepção da palavra, são defendidos pela defensoria publica através de profissionais nem sempre tão comprometidos com o resultado do processo e sendo assim acabam por colherem os piores resultados e também por não utilizarem todos os argumentos e recursos que se faziam possíveis.

Não bastasse ter uma condenação maior do que teria se tivesse sido melhor defendido, ainda depende da mesma defensoria publica para pleitear seus benefícios o que certamente lhe rende um tempo muito maior para permanecer no cárcere, já que, para complicar ainda mais, o numero de procuradores e sempre ínfimo em relação ao numero de encarcerados.

Como mudar a realidade financeira do encarcerado e da família do encarcerado não é possível só nos restou melhorar os conhecimentos jurídicos e de cidadania dos encarcerados e de seus familiares preparando-os para sozinhos pleitearem seus direitos junto as autoridades competentes.

A Social Carcerária através desta iniciativa ministra por correspondência cursos de cidadania a encarcerados e através deste portal da internet, para seus familiares, já que, a Constituição da Republica Federativa do Brasil e também, e a Lei de Execuções Penais dão não só aos encarcerados como aos seus familiares, o direito de independente da contratação de profissional do direito, lutarem por sua própria liberdade.

É evidente que não são todos os encarcerados, nem todos os familiares, que reúnam condições pessoais de aprenderem a elaborar as defesas sozinhos mais, em cada raio ou ala dos presídios, sempre existe a figura do antigo “rábula” que o transformamos em Monitor da Social Carcerária e este vem de próprio punho com as orientações dadas por nossa diretoria jurídica, defendendo os direitos de seus colegas de cárcere.

Este é o objetivo final que norteou a criação por parte da CESB – Confederação do Elo Social Brasil do projeto denominado Elo Social Carcerária.

Elo Social Carceraria CNPJ - 08.449.157/0001- 00 8º REG. Civil 11282 - Email: faleconosco@socialcarceria.org.br Tel:(11)3991-3803

C E S B - Confederação do Elo Social Brasil CNPJ 08573.345/0001- 46 - contato@elosocial.org.br Tel:(11)3991-9919

 
 

"Movimento Passando o Brasil a Limpo "

 

 

 

 

 

.